RSSTwitter

quinta-feira, 30 de abril de 2009


Close: Twiggy

A história das modelos de sucesso nas passarelas se dividem em antes e depois de Twiggy. Seu estilo vanguardista é até hoje copiado mundo afora. Isso incluindo o seu corpo extremamente magro, que detonou moda entre as modelos. Sendo que o dela era advindo de seu biotipo e não pelas loucas e indecentes dietas que as outras findaram por se jogar. Sobre o problema da anorexia nos tempos atuais, Twiggy se pronunciou dizendo: "A maioria das modelos é naturalmente magra e alta, enquanto várias dessas meninas de Hollywood fizeram dietas extremas. Os seus colos côncavos e seus braços ossudos são assustadores", disse. "Eu sempre comi de maneira sensata. Ser magra estava nos meus genes", completou, defendendo-se. Sua imagem extremamente andrógina se tornou perfeita para as criações dos estilitas de outrora, no que veio a transformá-la em ícone máximo da moda dos anos 60. E por assim dizer, ela veio a se transformar na primeira top model de que se teve notícia.

Fotos: Reprodução

Pertencente à uma família de classe média, foi descoberta pelo fotógrafo Justin de Villeneuve, nome artístico de Nigel John Davies, que resolveu investir nela, tanto profissional quanto afetivamente. O apelido que a alçou ao estrelato vem desse período; de tão magrinha (1,67m, 42kg, 82-59-82), Lesley era chamada de "graveto" (twig, em inglês).

A partir do encontro com Justin, a carreira da modelo decolou e ela se tornou muito conhecida, tanto na Europa como nos Estados Unidos da América, justamente por se contrapor ao padrão de beleza feminina dos anos 50, de mulheres voluptuosas e sensuais como Marilyn Monroe.

Twiggy emprestou nome e rosto para bonecas, jogos, canetas, cílios postiços, cabides, meias e até máscaras. Em 1967, chegou à Nova Iorque com fama de estrela e freqüentou eventos da alta sociedade.

Contudo, sua carreira nas passarelas e capas de revista foi bem curta. Ela deixou de ser modelo em 1969 para tentar as profissões de atriz e cantora. Participou de programas de televisão e de espetáculos da Broadway, e gravou vários discos. Lançou também três autobiografias: Twiggy by Twiggy (How I Probally Just Came Along on a White Rabbit at the Right Time, and Met the Smile on the Face of the Tiger), em 1968; Twiggy, em 1975, e Twiggy in Black and White, em 1997, nenhuma delas lançadas no Brasil.

Em 1973, posou ao lado de David Bowie para o álbum dele chamado Pin Ups.

Apesar de serem considerados o casal símbolo da moda nos anos 60, Twiggy e Justin nunca oficializaram a união. Em 1977, ela casou com o ator Marco Whitney, com quem teve uma filha, Carly. Ficou viúva em 1983 e se casou novamente com o ator Leigh Lawson, de quem adotou o atual sobrenome. O casal vive na Inglaterra.

Ela parece não sentir saudade da época de modelo. No livro Modelo - O mundo feio das mulheres lindas, do jornalista Michael Gross (Objetiva, 1996), ela declarou: "Eu costumava ser uma coisa. Agora sou uma pessoa".

Atualmente, além de cantar, Twiggy assina uma linha de aromaterapia e costuma se dedicar a causas sociais, sendo uma ativa militante do PETA (People for Ethical Treatment of Animals) e é jurada oficial do reality show americano America's Next Top Model, do canal CW, produzido pela ex-modelo Tyra Banks.(Fonte: Wikipedia)

Postado por: Alessandro Araújo

11 comentários:

Alê Lima disse...

Merecidíssimo o posto pra Twiggy. Minha preferida e baixinha como eu! hihihih

Valeu Alê!!
=***

Kwell disse...

"Eu sempre comi de maneira sensata. Ser magra estava nos meus genes"...Precisa humilhar tanto...rsrsrsrrsrsrsrsr

Alê Lima disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Ludh disse...

Nossa, agoniante essas sobrancelhas da 6ª foto.

Li disse...

acho fofo sardinhas...

Miss Lexotan 6mg (Lulu) disse...

Linda até hoje... adoooro, principalmente com o visual dos anos 60!

Ali disse...

sempre leeenda, adoro Twiggy!
é mto fácil identificar uma menina saudavelmente magra e uma anorexica!

Anônimo disse...

Twiggy 4 ever:)

Mariana disse...

eu costumo chamá-la de 'a magrela original'. e vendo essa sexta foto, acho que o cabelo era parte essencial da sua imagem. acho visual sixties sensacional. e a capa do pin ups é bem legal, além de acertada (nada mais normal do que colocar um ícone dos anos 60 num disco com covers de músicas representativas da década de 60)

Kaira Doebber disse...

Hummmm, acho ela lindinha na época, mas sabe que acho a fisionamia dela sempre a mesma nas fotos? Mas é um ícone, isso é fato.

Marcelle Félix disse...

ADOREI!! Era como mamãe me chamava quando eu era pequena!! Eu era só o palito.

Postar um comentário

Apimente bem gostoso com o seu comentário, gostando ou não do que foi publicado, mas tente ao menos ser coerente e educado na opinião dada, visse? Eu não sou obrigado a escutar desaforos no meu espaço e te devolvo o baile com gosto de gás! rsrsrsrsrs