RSSTwitter

segunda-feira, 4 de março de 2013


Muito Além do Peso

Parece que para combinar com a segunda-feira os meus textos hoje estão para lá de sérios! Pois agora irei falar sobre algo deveras preocupante, e que tem crescido a níveis alarmantes no nosso país: a obesidade infantil.


Os tempos atuais, dizem, nos trouxe mais qualidade de vida. Se isso é correto? Não sei! Apenas sou consciente que hoje em dia podemos escolher o caminho para se viver melhor. Mas parece que nem sempre esse vem ser o objetivo de muitos, pois parece que cada vez estamos mais preguiçosos e maleáveis quando o assunto é cuidar do nosso corpo, não nos alimentando de forma saudável e nem praticando exercícios.

Quando se fala em crianças então, a coisa fica muito mais do que feia! Afinal se os seus pais já fazem parte dessa preguiçosa geração, o que é que eles podem de passar de benéfico para seus filhos? Nada, né mesmo? Até porque na era digital as brincadeiras que envolvem atividades físicas parecem ter virado algo jurássico que, daqui logo menos, serão apreciadas apenas em algum museu. Aliás, em um museu virtual, diga-se de passagem...


No quesito alimentação o negócio é mais do que bronca! Pois quem é que não acha a coisa mais fofa do mundo ver um baby gorducho se lambuzando de guloseimas? Só que o problema em ser "a coisa mais fofa do mundo" é deveras preocupante, já que atender aos pedidos insistentes dos pequenos, que nessa fase só querem comer "besteiras", tendo seus pais como provedores dessa façanha calórica, pode acarretar em um problema gigantesco no futuro. Algo que é bem comprovado no documentário "Muito além do peso", dirigido por Estela Renner

O mesmo me foi mostrado pela amiga Ana Cintra esse fim de semana, e me deixou super estarrecido ao saber que nossas crianças já estão sofrendo das doenças de adultos como problemas de coração, respiração, depressão e diabetes tipo 2, tudo por conta da obesidade infantil devido aos péssimos hábitos alimentares cultivados.


Fotos e vídeo: Maria Farinha Filmes 


Aterrorizante saber sobre esse problema, não? Então devemos prestar muita atenção ao que estamos colocando na boca de nossos filhos. Pois somos nós, os adultos, que estamos no comando da situação. Não se fazendo necessário calar a boca do pequeno com essas guloseimas prejudiciais quando o mesmo estiver abrindo o berro por conta de chocolates e afins. Poi se o danado está realmente com fome, ele irá comer o que você  decicidir colocar no prato! E afinal de contas, se hoje ele esbraveja por comer apenas essas besteiras, a culpa disso é totalmente sua, não? Pois quem foi que deixou ele experimentar, hein? Pois é...

Uma ótima dica de leitura  sobre o assunto é o livro do "Obesidade Infantil – Guia Prático", escrito pelo Dr. Nataniel Viuniski, e que vem ser bastante útil para quem convive com o problema.
 

10 comentários:

Anônimo disse...

Assunto muito complicado. Meu filho não é obeso, mas esteve um tanto gordinho até o ano passado. E não gosta de besteiras, não gosta de mc donalds e outras porcarias. Gosta de comida boa, aprecia arroz, feijão, bife, massa e frutas e come até salada. Então, nós conseguimos introduzir a boa alimentação na vida dele, mas ele come bem. A culpa é dos pais? A médica sugeriu muita atividade física - ele sempre fez - mas acrescentamos a natação. Aí vem o povo dizer que ele faz atividades demais, e blá, blá,bla, difícil viu! Ele acabou perdendo peso aos poucos, talvez por causa do crescimento mesmo.Mas é falatório pra todo lado.

Anônimo disse...

Ale, MEUS PARABÉNS pela iniciativa de colocar aqui este assunto tão sério e delicado.

Espero que alguns pais se sintam tocados, e tomem responsabilidade sobre seus atos.


Muito legal mesmo o documentário.

Clara Bizzotto disse...

Acabei de assistir o documentario, gostei muito, vou compartilhar nas redes sociais (acho que o assunto precisa ser divulgado e discutido). Estou pensando seriamente em rever meus hábitos alimentares, cortar a coca cola de vez da minha vida (essa porcaria só engorda, se pelo menos desse um barato!!!! Mas nem isso...kkkkk). Muito legal Ale! Valeu. Beijos!

Kaira disse...

Esse documentário é realmente chocante! Um tapa na cara, eu diria... =/

Anônimo disse...

Criança precisa de ROTINA para tudo, inclusive para alimentação.infelizmente não tem como não culpar os pais por isso.

Mary disse...

Graças a deus meus pais (meu pai principalmente) me criou sem essas besteiras, claro que quando entrei na adolescência comecei a ganhar meu dinheirinho me joguei nos funk foods mas todo isso enjoo e simplesmente hoje em dia não consigo mais comer essas porcarias.
E tudo uma questão de habito e de exemplo não adianta cobrar das crianças oue os pais não fazem.


Mary disse...

*Junk food
kkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Esse documentário é de utilidade pública.
Obrigada por postar!
Abraços

Anônimo disse...

Excelente documentário.. sinceramente me fez pensar que ainda tenho tempo de rever minha alimentação (aos 30 e com sobrepeso!)... a indústria alimentícia e a propaganda devem assumir a responsabilidade pelos dados alarmantes apresentados no documentário, porém o maior responsável é o Estado por ser conivente com tal situação..

Oqueemeuenosso disse...

Grato pela postagem.
Até mais

Postar um comentário

Apimente bem gostoso com o seu comentário, gostando ou não do que foi publicado, mas tente ao menos ser coerente e educado na opinião dada, visse? Eu não sou obrigado a escutar desaforos no meu espaço e te devolvo o baile com gosto de gás! rsrsrsrsrs

toptherm
Top Therm
Top Therm
Top Therm
Top Therm