RSSTwitter

segunda-feira, 1 de abril de 2013


Leve-me pra sair

Por mais que tente não ser repetitivo e evitar fcar focando sempre o assunto "homofobia" aqui no Pimenta, parece que a nossa sociedade  não deixa de forma alguma que esqueçamos que vivemos numa época sombria para quem é gay, o que chega ser um retrocesso depois de algum avanço nas questão, mas só que as declarações ridículas de pessoas públicas, que a gente sempre espera que sejam melhores instruídas a não abrir a boca e falar tanta merda, tem pipocado por demais pela imprensa. Então não tenho como ficar calado ao assistir tanta imbecilidade por conta da sexualidade alheia.

Como foi o caso desse final de semana da entrevista para a revista Época daquela cantora Joelma, que ao invés de estar preocupada em melhorar sua música ou tratar de elevar sua alma, fica dando pitaco no rabo dos outros, esquecendo que existe uma legião de fãs da Banda Calypso que são gays e que, espero, repensem sua idolatria depois dos impropérios que essa senhora, que se diz toda religiosa, ao mesmo tempo que faz shows rebolando e mostrando o corpo, mas mesmo assim não quer ser julgada e se acha no direito de julgar as outras pessoas. Numa clara evidência  da hipocrisia existente dentre alguns seres que se escondem por trás da palavra de Deus para cometer essas atrocidades com seu próximo!

Tanto essa criatura é hipócrita, que diante da polêmica causada por suas declarações homofóbicas, voltou atrás e proferiu palavras que foram piores que a emenda, já que declarou ter muitos amigos gays e, sendo assim, não poderia ser considerada preconceituosa. Mas que sua religião não permite casamento entre homens e que lutaria para que seus filhos não fossem gays, pois como mãe só deseja a eles coisas boas?

Sabe o que eu fico puto? É uma criatura dessas ainda ter pessoas a defendendo, inclusive alguns gays, quando é notório que ela está justificando essa merda toda que falou apenas por saber que isso não ficaria bem para sua imagem, pois depende do seu público para encher os cofrinhos! Assuma a porra do seu preconceito, mulher! E lembre-se: DEUS TÁ VENDO!!!!!


Pois bem, ontem me deparei com o documentário "Leve-me pra sair", produzido pelo Coletivo Lumika, e que retrata opiniões, experiências e conflitos de alguns adolescentes gays, levantando questões como “Qual a sua opção sexual?”, “Homossexual, lésbica, gay, homoafetivo?”, “Ser gay te define?”, “Você tem medo?”, servindo para demonstrar aos seguidores de Joelma, Malafaia, Feliciano, etc., o quão errônea tem sido as opiniões dessas antas públicas perante tal assunto.

Cata o play aí embaixo, que vale super a pena saber o que pensam esses meninos e meninas que, independente do ainda preconceito existente, convivem naturalmente com uma sexualidade que só diz respeito a eles e a mais ninguém!


 

10 comentários:

Camila disse...

gente, que jovens mais lindos! adorei todos.

Luana Réus disse...

Esse documentário conseguiu abrir mais ainda minha mente aparentemente aberta. Sabe qual momento me fez refletir mais ainda em relação a sociedade preconceituosa em que vivemos? Quando uma menina disse que contou para sua mãe que era gay e seu pai disse: então você gosta de bucetas? Mas eu tenho certeza que se ela tivesse ido contar que estava namorando um menino ele não falaria: então você gosta de pintos?
Porque relacionamento heterossexuais são vistos, em sua maioria, como relacionamentos amorosos, saudáveis, como propagação da família e homossexuais como relacionamentos sexuais? Porque a sociedade acredita que um relacionamento hétero não envolve sexo e que um relacionamento homo não tenha amor? Mas com certeza, a partir de agora eu pude ver que mesmo dizendo que não sou preconceituosa, eu acabava pensando, mesmo que involuntariamente, da mesma forma que esse pai. E que de hoje em diante, enxergo os relacionamentos(independente dos sexos dos envolvidos) com os mesmos olhos: com muito sexo e com muito amor, como tem que ser!

Muito bom Alê
beijo

Alessandro disse...

Luana Réus, você levantou uma questão super válida, pois geralmente os relacionamentos homossexuais são taxados como "putaria", "safadeza", como se os gays não tivessem sentimentos e tal. tanto que esse pensamento é o que leva as pessoas a sexualizarem um simples beijo entre iguais, quando casais heterossexuais se agarram livremente por todos os cantos. precisamos combater essa ideia de que tudo é levado ao sexo no meio gay, pois temos sentimentos idênticos a todos.

Luana Réus disse...

Pois é Alê
Eu sou hétero, porem por ter amigos e parentes gays, sempre fui defensora dessa causa. Mas, hoje, percebi que eu era tão preconceituosa quanto toda a sociedade, porque eu não percebia que também tratava relacionamentos gays muito mais sexuais do que relacionamentos héteros. Só que depois de ver o que esses jovens pensam, e passaram ao se assumir( e que infelizmente, devem passar todos os dias ainda por viver em uma sociedade tão ultrapassada) e também por ouvir relatos de casos sexuais de amigos e amigas héteros que se enquadram muito mais em putaria e safadeza do que os relacionamentos dos meus amigos gays, eu vi que a gente sempre enxergou isso de maneira errônea. Casais héteros fazem sexo sim, assim como casais gays, porque é da natureza humana. E todas as pessoas, gays ou não, precisam de afeto, de atenção, de carinho, de confiança e é nisso que deve se buscar em um relacionamento. É, na verdade, o que todos nós sempre buscamos. Eu nunca vi um casal gay se esfregando ou um passando a mão na bunda do outro no meio do da rua ou em uma balada. Mas é comum vermos isso com casais héteros. Porque ninguém fala nada? Mas porque um casal gay de mãos dadas em um shopping as pessoas olham atravessado? A sociedade tem que amadurecer muito ainda. E isso só acontece, quando pessoas como você ou como quem produziu esse vídeo e jovens como esses que mostraram a cara e não tiveram vergonha em relatar o que passaram não se deixam abater, e esfregam na cara de todos a verdade que ninguém quer ver.

Garcia disse...

Eu já tinha "catado" quando lançaram esse vídeo. Rsrs.
Adorei a abordagem, pois o diretor quis passar opiniões de quem mais entende: pessoas comuns que, mesmo jovens, se descobriram como pessoas e se aceitam, pois a homossexualidade é algo comum, que a sociedade ortodoxa-cristã se incumbiu em punir e não aceitá-la como algo natural.
Precisamos de uma sociedade pensante, uma sociedade letrada é a única saída para o fim da intolerância.

Anônimo disse...

Já disse isso uma vez aqui mesmo, é tanto estardalhaço q até quem é super a favor (como eu) começa a ficar de saco cheio de tanto matéria, reportagem sem profundidade. Nem digo aqui no blog, pois vc Alessandro é um dos poucos q ainda consegue tocar no assunto de modo interessante e sempre colocando um vídeo, uma informação bacana. Falo no contexto geral, estão batendo tanto nessa tecla, dando tanto espaço para Felicianos, Joelmas, Bolsonaros na mídia q o efeito tá sendo o contrário, só ando vendo q o movimento e comentários de gente preconceituosa e q compartilha da mesma opinião deles, só aumenta.
A coisa vai piorar, pq quem tem mente aberta e sem preconceitos não precisa desse tipo de coisa, agora quem não tem, só quer alguém para falar tudo o q eles pensam, e ainda o movimento gay fica dando mais voz para esse povo.
Existem formas muito mais bacanas e muito mais efetivas: como por exemplo, as fotos do Rick Martin.
Falo isso com boas intenções e até com receio, pq vejo diariamente, pessoas no trabalho, no meu ambiente social q nunca tiveram problema algum, já comentarem "q saco, agora tudo é homofobia", "fulano só se faz de vítima", "Tal deputado esquece q é deputado e acha q virou só ativista gay".
Pessoas como vc Alessandro na minha opinião é q fazem a diferença, um cara ético, inteligente, q não força a barra, q brinca.... Dar espaço para essas antas de Joelma, Bolsonaro, etc, só dá uma voz a quem pensa como eles.

Anônimo disse...

Tenho uma filhinha de dois anos e sempre falei pra todo mundo, mesmo antes de engravidar, que se tivesse um filho(a) gay, eu o apoiaria incondicionalmente. Muitos criticaram dizendo que é fácil falar quando ainda não se tinha o filho. Pois bem, hoje deixo minha filha ser livre para escolher seus brinquedos, suas roupas (dentro do sensato, é claro) e muitos acham que eu deveria vesti-la como uma princesinha cheia de frufrus, como se fosse uma boneca, um brinquedo, coisa que ela não é. Acham que se eu deixar ela se vestir com roupas menos femininas e cor de rosa, posso estimulá-la a ser gay. Pode isso??? Ainda não sei se ela é gay ou hétero, mas quero que ela ame e seja amada e lutarei até o fim pra que ela seja respeitada. Não sou de briga, mas jamais permitirei que pessoas inferiores e sem evolução a maltratem. Nesse caso brigarei ferozmente. Tenho amigos gays e gosto e desgosto como uma pessoa qualquer. Independente de tudo.

Anônimo disse...

Eu vou ser franca!
Pra mim, eu sou super contra homossexualismo!
Mas, cada um tem a vida que quer!

homem e mulher e ponto final!

Anônimo disse...

Nana Dyva Gouveia dando um tapa na cara da sociedade e da Bostelma:

http://revistaquem.globo.com/QUEM-News/noticia/2013/04/nana-gouvea-se-revolta-contra-joelma-vai-se-f.html

depois dessa, depois de ver Nana sendo tão inteligente e fofa, se eu fosse a Bostelma, eu me matava!!!

Aliás, quem é Bostelma???

Beijos!

Dan

Anônimo disse...

Ótimo documentário! Em nenhum momento se apela pelo drama, é somente um franco bate-papo com jovens comuns. A respeito de Marco Feliciano, se ele fosse tão corajoso quanto se diz, não estaria fazendo uso de um DUBLÊ quando corre o risco de manifestações contra suas atrocidades.. Quase ninguém sabe desse fato ainda, mas ele sempre sai por saídas alternativas e coloca um "pobre coitado" no olho do furacão em seu lugar. Falar é muito fácil. Quero ver é ter coragem de enfrentar as consequências de suas palavras. FELICIANO NÃO ME REPRESENTA!

Postar um comentário

Apimente bem gostoso com o seu comentário, gostando ou não do que foi publicado, mas tente ao menos ser coerente e educado na opinião dada, visse? Eu não sou obrigado a escutar desaforos no meu espaço e te devolvo o baile com gosto de gás! rsrsrsrsrs

As melhores peças com os menores preços para você.
Caso não esteja visualizando as imagens,acesse aqui
 
 
Duloren
Lançamentos Sutiãs Calcinhas Modeladores Diva Plus Size OQNV
Frete Grátis
Meu guia de lingeries
Chat Online
Central de Atendimento:
Para realizar qualquer troca de produtos, seja por causa do modelo, tamanho ou cor, não há custo adicional para a 1ª troca e a Duloren oferece um prazo de 30 dias após o recebimento do produto. Caso a nova peça seja de uma referência diferente da peça devolvida, será gerado um crédito no valor do produto a ser trocado para a realização de uma nova compra. Para saber mais, acesse Política de Troca ou Devolução.
Custo e Prazo de Entrega:
O frete é grátis para qualquer lugar do Brasil em compras acima de R$ 120,00.
Depois que o pagamento estiver confirmado, o envio do(s) produto(s) ocorrerá o quanto antes, mas o prazo depende de sua localidade. Para saber mais, acesse Entrega e Frete.
Formas de Pagamento:
As compras podem ser feitas em até 5 vezes sem juros em todos os cartões, com parcela mínima de R$ 30,00.
Trabalhamos também com outras formas de pagamento, como débito, boleto bancário e PayPal.

Sobre a Duloren:

A Duloren, líder de mercado em moda íntima no Brasil, fundada há 53 anos, tem um forte e consistente DNA que está baseado na produção de tecidos altamente tecnológicos com desenhos, rendas e elásticos exclusivos, acrescentado à tinturaria própria e à fabricação dos seus insumos. Para atender as mais diversificadas solicitações do mercado consumidor, a Duloren produz e comercializa hoje as marcas Duloren e Femmina.

Com capital 100%% nacional, produz cerca de 1,2 milhão de peças por mês. A Duloren orgulha-se de ser inovadora e estar na vanguarda da estratégia de mercado. Através de avançados planos de marketing, a empresa é reconhecida como pioneira da moda íntima, lançando coleções simultaneamente

Atenção:
Preços e condições válidas para a loja online da Duloren. As condições podem se alterar após o envio dessa mensagem.
Confira todas as informações sobre produto, preço, tamanho e cor antes de concluir a compra.
Caso haja diferença nos preços entre este e-mail e a loja online da Duloren, a condição válida e praticada será a da loja online. Os descontos são válidos durante o período de divulgação e dependem da disponibilidade de estoque.