RSSTwitter

quarta-feira, 22 de maio de 2013


O bullying que saiu pela culatra

Ally, uma madrasta habitante em Utah, EUA, arrumou uma forma bem interessante de castigar sua enteada Kaylee, uma garota de 10 anos, que vinha praticando bullying contra uma colega de classe na escola em que estuda: forçá-la a usar roupas de brechó!

 

O fato se deu quando Ally tomou conhecimento que Kaylee estava atormentando a vida escolar de uma colega por conta das roupas que a mesma usava. E o assédio moral cometido por Kaylee estava sendo tão forte que a escola teve que tomar providências, fazendo com que o bullying cometido pela garota chegasse aos ouvidos dos familiares de Kaylee, já que a vítima pensava seriamente em deixar a escola por não estar mais aguentando os xingamentos da menina por conta de suas vestes.

Ally então usou de criatividade na resolução do problema, se dirigindo a um brechó para adquirir algumas roupas e fazendo com que Kaylee as vestisse para ir à escola, usando justamente o que tanto repudiava: peças fora de moda, deselegantes, desajustadas no corpo e baratas. O que a menina fez de má vontade e chorando.


Achei esse castigo aplicado pela madrasta super coerente, pois fez com que Kaylee repensasse sua péssima atitude e, talvez, criasse certa empatia com sua vítima. Mas, nesse mundo politicamente correto em que vivemos, sempre tem algumas pessoas bem “pau no cu”, e que de tudo fazem um escarcéu! Tanto que transformaram a ação da madrasta em algo negativo, já que Ally foi criticada por estar ensinando à garota que roupas de brechó são algo ruim, que não deve ser adquirido. Enquanto, na minha visão, a madrasta apenas quis mesmo foi fazer com que a garota usasse algo com o qual tem preconceito para então entender que não é o que se coloca no corpo que faz com que tal pessoa seja melhor ou pior. E vocês, o que acham?

29 comentários:

Anônimo disse...

Oi Alê!!

Super concordo com você!! Isso é educar, mostrar que respeito é acima de tudo e para todos!!

Bjos
Flávia

Anônimo disse...

Gostei dessa mãe! Parabéns...

Cris Bonnie disse...

Ahhhhh mto, mto bem feito! Sempre vai ter gente pra repudiar alguma coisa. A gente tem q fazer o q acha certo msm. E pra mim a madastra está certíssima!

Giane disse...

Concordo. Se todos os pais disciplinassem seus filhos teríamos um mundo muito melhor.

Anônimo disse...

Concordo com vc Alê!!

Anônimo disse...

Que demais!!!!
Adorei a ideia...
Sinceramente em algumas situações os pais nem sabem como se comportar e as vezes nem acreditam no comportamento lamentável dos filhos...
Nota 10 pra madrasta!

Anônimo disse...

Concordo com vc Ale.

Bjsss

Mari disse...

Ela é a madrasta da menina e foi mais mãe que muitas mães que existem por aí. Atitude digna de aplausos.

Nelma disse...

Parabéns pra mãe,claro!Achei muito bem feito!O que a menininha ridícula tem com a maneira de vestir da outra?Cadê respeito?Deveria servir de exemplo pra outras mães,isso sim.

Anônimo disse...

achei tudo de bom!!

Vanessa disse...

Negativo é ter conhecimento de uma atitude errada de um filho e simplesmente ignorar. Isso sim é um absurdo! Parabéns para a mãe e que sirva de exemplo!

Adriana Maria disse...

Super correta a atitude da madrasta!! Se todos fizessem o mesmo e educassem suas criancas desta maneira,o mundo estaria bem melhor,o que vemos hj sao criancas mimadas,pais omissos e mimados tbm!!! Pessoas sem respeito ao proximo e educacao zero!!!Que sirva de exemplo positivo esta madrasta!!!

Anônimo disse...

Ela deu uma lição na menina, um castigo realmente...mas só no futuro saberemos os efeitos que isso vai causar nas duas meninas, porque ambas sofreram humilhações...

Anônimo disse...

Ela tem que passar por isso sim, bem feito não importa o que os outros vão falar, e quer saber? esse tal de bullying é coisa de agora antigamente isso também existia e ninguém ficava com essa palhaçada agora tudo q acontece é bullying"ai coitadinha sofreu isso na escola por isso q ela se tornou esse adulto", ah pára...

Anônimo disse...

Estou com vc Alê e isso se chama empatia, se colocar no lugar do outro de forma prática. Como professora apoio a atitude que Ally adotou. É assim que se ensina de verdade, nem sempre uma conversa resolve um problema.

Anônimo disse...

Concordo com você, Alessandro. Não há nada como dar uma voltinha usando os sapatos alheios pra fazer a gente descobrir onde aperta o calo.
Márcia

Anônimo disse...

A escola ter identificado o problema e chamado a família da menina "bulinadora" também foi importante. E o castigo foi merecido.

maryara disse...

Eu acho a atitude dela correta até a hora de dar a roupa de brechó para guria a partir do momento que ela tornou isso publico eu acho que ela perdeu a mão.

anasussai disse...

SUUUUPER CONCORDO! Terei muita criatividade se algum dia meus filhos (que ainda virão) tiverem algum tipo de preconceito!!

Anônimo disse...

Achei digníssimo a atitude da madrasta.

Quanto às pessoas 'pau no cu' é o que mais tem hoje em dia. Tudo é preconceito. As pessoas estão ficando muito bitoladas e cegas (no próprio preconceito que paira na cabeça delas mesmo).

lea disse...

achei a atitude dela super certa, so vivendo , a pessoa aprende ne?bjks

Anônimo disse...

Super concordo!
Esse caso já havia ultrapassado o limite em que uma conversa adianta para resolver o problema.
Essa garota precisava sentir na pele o mal que estava fazendo à outra.
Agora, com certeza pensará duas vezes antes de agir dessa forma novamente.

Mariel disse...

A melhor madrasta do ano. Não interessa os motivos que a menina usa roupas de brechó, tem de respeitar. A pessoa não é a aparência e sim o conteúdo. Acho que ela fez a enteada repensar suas atitudes, pois ela mesmo pode ver que continua a mesma pessoa de antes, mas agora não vai mais tirar sarro da outra. Faria o mesmo!

C. B. disse...

Corretissímo! Uma punição muito mais ao nível da criança, para um adulto talvez não funcionasse era o momento de ensina-la isso, não tem do que se reclamar da medida.

Anônimo disse...

essa mão merece muitos aplausos e um exemplo a ser seguido. por muitos pais

Anônimo disse...

Concordo completamente com vc!

Dayne Dantas disse...

Alê, super concordo com vc e o castigo dado pela madrasta.
Eu uso roupa de bazar e adoro pq meu guarda roupa sempre está cheio e renovado ;)

Lizzy Juliet Schmidt disse...

Aí é que ta.
por um lado foi exatamente o que pareceu: que roupas de brechó é algo que dê vergonha e etc. Se fosse explicado que a garota usaria roupas que ela falasse tão mal, seria outra coisa. Acaba que no final das contas acentuaram essa coisa da "humilhação" de usar roupas que não são compradas em lojas caras, entende?
Acho que deveriam ter informado que a garota iria usar roupas que ela criticava e não que usaria roupas de brechó, entende?

Celina Pessoa disse...

Concordo plenamente! Acho que hoje em dia, esqueceram a forma correta de educar as crianças, e qualquer ato, por mais coerente que seja, é discriminado. O reflexo disso, é essa juventude que não dar valor a nada, e ainda esquece do respeito ao próximo.

Postar um comentário

Apimente bem gostoso com o seu comentário, gostando ou não do que foi publicado, mas tente ao menos ser coerente e educado na opinião dada, visse? Eu não sou obrigado a escutar desaforos no meu espaço e te devolvo o baile com gosto de gás! rsrsrsrsrs

Vem comemorar a semana do Dia Internacional da Mulher
Caso não esteja visualizando as imagens,acesse aqui
 
 
Duloren
Lançamentos Sutiãs Calcinhas Modeladores Diva Plus Size Cuecas
Frete Grátis
Dia internacional da mulher
Aproveite
Chat Online
Central de Atendimento:
Para realizar qualquer troca de produtos, seja por causa do modelo, tamanho ou cor, não há custo adicional para a 1ª troca e a Duloren oferece um prazo de 30 dias após o recebimento do produto. Caso a nova peça seja de uma referência diferente da peça devolvida, será gerado um crédito no valor do produto a ser trocado para a realização de uma nova compra. Para saber mais, acesse Política de Troca ou Devolução.
Custo e Prazo de Entrega:
O frete é grátis para qualquer lugar do Brasil em compras acima de R$ 120,00. 
Depois que o pagamento estiver confirmado, o envio do(s) produto(s) ocorrerá o quanto antes, mas o prazo depende de sua localidade. Para saber mais, acesse Entrega e Frete
Formas de Pagamento:
As compras podem ser feitas em até 5 vezes sem juros em todos os cartões, com parcela mínima de R$ 30,00.
Trabalhamos também com outras formas de pagamento, como débito, boleto bancário e PayPal.

Sobre a Duloren:

A Duloren, líder de mercado em moda íntima no Brasil, fundada há 53 anos, tem um forte e consistente DNA que está baseado na produção de tecidos altamente tecnológicos com desenhos, rendas e elásticos exclusivos, acrescentado à tinturaria própria e à fabricação dos seus insumos. Para atender as mais diversificadas solicitações do mercado consumidor, a Duloren produz e comercializa hoje as marcas Duloren e Femmina.

Com capital 100%% nacional, produz cerca de 1,2 milhão de peças por mês. A Duloren orgulha-se de ser inovadora e estar na vanguarda da estratégia de mercado. Através de avançados planos de marketing, a empresa é reconhecida como pioneira da moda íntima, lançando coleções simultaneamente

Atenção:  

Preços e condições válidas somente para este e-mail, em compras na loja online da Duloren.
Promoção válida até 08/03/2017.As condições podem se alterar após o envio dessa mensagem.
Confira todas as informações sobre produto, preço, tamanho e cor antes de concluir a compra.
Os descontos são válidos durante o período de divulgação e dependem da disponibilidade de estoque.