RSSTwitter

quarta-feira, 17 de julho de 2013


Um terrorista na Rolling Stone

Desgraça vende! Isso todo mundo já tá careca de saber, não é verdade? E, em um mundo tão calejado de violência, o ser humano ainda insiste em ter o mórbido hábito de saber mais e mais sobre criminosos, homicidas, sociopatas, terroristas, etc. O que nem sempre acaba resultando em algo bom, como já vimos acontecer antes em alguns casos, pois o circo que se forma em torno disso pode gerar nas mentes doentias a sensação da fama, do estrelato, do reconhecimento pelos seus atos, mesmo que esses sejam nefastos.

Então, super abominei a atitude da revista Rolling Stone, cujas capas são quase sempre dedicadas a cantores, atores, modelos e, por poucas vezes, políticos, de colocar em sua edição do mês de agosto o garoto Dzhokhar Tsarnaev, que vem a ser um dos autores do atentado terrorista à Maratona de Boston.


Foto: Reprodução



Transformar assassino em estrela só pra vender? Mais do que uma péssima ideia...

51 comentários:

Anônimo disse...

Não vi por esse lado. Pode ser uma tentativa da revista de alertar os jovens dos riscos de se deixar seduzir pelo radicalismo. Estar na capa de uma revista não faz uma estrela. Se fosse assim todo mundo aqui no Brasil seguiria o exemplo do Maluf, ou dos corruptos que sempre saem nas capas da Época, Veja, etc. Tudo bem que a Rolling Stone é uma revista do meio artístico, mas é interessante vê-la colocar um assunto sério na capa, a repercussão é maior, o público atingido é maior. E lembrando apenas uma coisa: a prisão dos irmãos foi bem controversa, tem muita coisa obscura nesse atentado. Enfim, é melhor debater o problema por meio de uma capa de revista do que rotular o cara de assassino, terrorista e esquecer os mil outros assuntos políticos, raciais, religiosos, etc, por trás.

Anônimo disse...

Concordo com o anonimo. É preciso primeiramente ver o conteúdo da matéria. E capa de revista não significa nada mesmo. Acho q sem ler a materia é tirar conclusões precipitadas e burrice.

Alessandro disse...

Bem, aqui não temos essa tradição de terroristas e psicopatas como nos EUA, ainda bem! Mas é sabido que lá muitos dos fizeram isso foram movidos pelo desejo de ficarem famosos, nem que fosse por algo assim. O assassino de John Lennon, por exemplo, foi um desses. Então, colocar um sujeito desses na capa de uma revista, que não costuma fazer isso, pode colocar besteira na cabeça de outros doentes. É isso que quis dizer. Aliás, só eu não! Todo o mundo está criticando o fato da Rolling Stone ter feito isso!

Anônimo disse...

Censurar não é a melhor pedida...todo mundo critica porque o medo é maior do que a vontade de entender o que está acontecendo. Tudo mastigadinho não dá, o povo sabe pensar. Os editores da Rolling Stone tão mostrando que tem um pouco mais de cérebro do que seus pares.

Anônimo disse...

A capa pode sim chamar a atenção de desmiolados seguidores, mas os irmãos Tsarnaev não tão no mesmo naipe de um Charles Manson né...esse sim arrepia dos anos 70 até hoje.

Anônimo disse...

Acho válido ler a matéria antes, a revista não está exaltando a imagem dele não. Quem entender errado já tem probleminhas e não é a capa da revista que vai despertá-los.

Alessandro disse...

mas é claro que é válido satisfazer nossa curiosidade a respeito, né? só que neguinho não pensa nos parentes dos mortos e nas vítimas que olham essa capa e recordam o terror! assim como também neguinho não pensa que tem gente doida o suficiente que pode imitá-lo só para aparecer em capa de revista. mas tudo bem, hoje em dia, infelizmente, o ser humano se tornou egoísta, blasé e cínico, pois a morte virou algo corriqueiro, né mesmo? então é super válido apoiar que criminosos, bandidos, etc, estejam sendo vistos como algo importante para vender publicações para "matar" nossa ávida curiosidade sobre o assunto! afinal, quem morreu já não pode dar pitaco sobre isso...

Anna M. disse...

Bom, a proposta da capa é dizer como ele se tornou um monstro . Não recrimino .

Alessandro disse...

se fosse outra publicação, tudo bem. mas uma que é direcionada ao meio artístico? recrimino sim! desculpa não concordar em ver o povo querendo vender tragédia e não pensar no sofrimento dos outros

Anônimo disse...

Não é a primeira capa da RS com conteúdo q não seja artístico não! Essa pode ter chamado mais a atenção, mas vale a pena pesquisar antes pra não falar algo errôneo. E mesmo q fosse, acho sempre válido qq debate mais profundo não importa de qual veículo.
Quem é doido mesmo não se deixa influenciar por capa de revista, ainda mais se tratando de terrorismo q eh algo muito mais profundo e q precisa sim ser muito debatido por qq veículo.
Acho alienação criticar uma capa sem ler e debater o conteúdo da matéria e alienação e ser simplista demais dizer q não presta ou não é válido só pq a revista "nunca" tratou de assunto mais sério.
É a mesma coisa q entrar aqui no blog e criticar um post mais sério, só pq a maioria das postagens é supérflua e engraçadinha.
Informação é sempre bem vinda e válida!

Fernanda

Anônimo disse...

Uma coisa é fazer matéria sobre o cara. Outra é colocá-lo em um local onde geralmente são expostas pessoas tidas como referências de música, arte ou estilo. Acho muita sacanagem com os familiares e as pessoas vitimadas pela tragédia.
Cris.

Anônimo disse...

Nesse caso especifico o fua pra prender esse garoto foi algo tão surreal e digno de filme de Hollywood, q só a postura da mídia, policia, governo americano, já foi um prato cheio pra qq maluco querer fazer história.
Essa capa não é nada perto de todo escarcéu q foi criado e q americano adora, na época uma cidade como Boston literalmente parou, foi uma operação de guerra pra prender UM GAROTO, foi algo q posteriormente foi criticado como patético, sem sentido e q gerou muito mais terror q o ato em si, isso sim chamou muito mais atenção do q uma capa q quer discutir pq um garoto totalmente sociabilizado com a cultura americana, carismático, com amigos, super sociável, q frequentou uma faculdade ótima, praticou um ato terrorista. É algo q nenhum especialista, a mídia ainda não conseguiu entender. Isso precisa ser discutido, não só tentar traçar um perfil, como toda a operação q envolveu esse episódio.

Alee - coletandodias.blogspot.com disse...

Vamos ao ponto do Alessandro:
Este terrorista estampou outras capas de revistas e jornais. Mas o caso aqui é que a Rolling Stone é uma revista dedicada a música...
Leim isto aqui---->>>Revista de música, sobre música..Helôoooooo
- Mas não é de só de musica que vive a Rolling Stone, fiaaaa.
-Ok, eu sei.
Da mesma forma que a Playboy não é só sobre bocetas. Mas e se fosse ele na capa da Playboy? aí vocês entenderiam o ponto?
Rolling Stone sempre trata de política e cultura popular de forma secundária em reportagens dentro da revista(como a Playboy). Não precisavam dar a capa para o terrorista. Quando eles cometem estes atos eles buscam a ampla divulgação dos atos e sim, eles inspiram outros terroristas. Esta capa é a glória para ele.

Anônimo disse...

Se sempre tratou não importa se é secundária ou não. Chocante é alguém q tem um blog de frivolidades e q eventualmente faz posts sérios condenar isso. "Na próxima postagem séria vou mandar essa: o blog é de frivolidades, assuntos sérios são secundários por isso condeno essa postagem séria".
Por favor, né!
mas tbém nem vou perder mais tempo discutindo isso, pq o Alessandro é um cara q nunca é ponderado, o q ele acha é lei. Não sei nem pq ele não fecha a caixa de comentários.

Anônimo disse...

As capas da Rolling Stones sempre geram eventualmente polêmicas. O formato da revista pra quem acompanha não é o mesmo, já tem um tempinho q não saem só capas de artistas, músicos. Já foram capa da revista Obama, Silvio Berlusconi, aqui no Brasil a revista já colocou Serra e outros candidatos na capa.
O conteúdo da revista e o segmento tem mudado. É importante ressaltar isso, a revista passa por mudança de conteúdo, tem feito matérias q não são só voltadas para as artes. É uma revista jovem e q tem chamado esse público mais jovem para começar a discutir assuntos mais relevantes. Como isso não pode ser benéfico? É uma questão de perspectiva e visão, nós precisamos sair da zona de conforto.

Beijos
Juliana

Anônimo disse...

Ok, eu vou ter que concordar com o Alessandro dessa vez, e eu vejo que ele falha bastante ao tentar argumentar quando é criticado. Mas nisso ele está certo. O contexto dos EUA é bem diferente do nosso. Aqui no Brasil, a violência tem raízes sociais, todo mundo só quer se dar bem de acordo com o "jeitinho brasileiro". Lá nos EUA existe essa espécie de doença que assola o povo criando verdadeiros psicopatas que matam e destroem tudo por mero prazer, e não por dinheiro, necessidade ou qualquer outro motivo que costuma levar as pessoas aqui no Brasil a cometerem crimes, por exemplo. Eu tenho um tumblr e eu sigo muita gente de fora, o culto a serial killers e afins não é raro não. Essas pessoas, não só os americanos, os de países ditos de 1° mundo tem uma propensão à cultuar esse tipo de coisa, ficar fascinada pela psicologia do assassino. Esse tipo de coisa mal direcionada é perigosa e a Rolling Stone foi apelativa e infeliz sim!
- Ray

Anônimo disse...

O argumento da "venda da violência" não é nenhum pouco válido. Alessandro, o que não é vendido hoje em dia? Informação, imagens, sexo, corpos, qualquer coisa! Violência é só mais um tema que sim, é usado para fazer dinheiro, porque é em volta dele que o mundo gira, infelizmente. Isso não nos tira o direito - e privilégio - de obter informação. E se a matéria trouxer informação de qualidade, melhor ainda. Não se trata simplesmente de curiosidade, é muito mais que isso; precisamos de informação para o mundo continuar "girando", seja sobre QUALQUER tema. Além de que, mesmo que um indivíduo desse se sinta bem em estar na capa de uma revista que o condena, a coerção social pra cima dele é gigantesca e não desperta inveja em ninguem; quem se inspira em pessoas assim já é bem desequilibrado, hein. Não vejo onde a revista aumentaria tanto assim esse tipo de situação. É uma pena, realmente, que as famílias tenham de reviver estes fatos nos programas de tv, jornais, etc., (e não apenas nessa revista), mas é uma consequencia (ruim) inevitável desse nosso mundo, afinal, é preferível que esses casos sejam noticiados, discutidos, salientados em QUALQUER tipo de meio de comunicação, do que acontecerem e morrerem no escuro.

Márcia.

Alessandro disse...

As últimas capas da Rolling Stone foram com artistas sim! Rihanna, Justin Bieber e outro que esqueci agora

Alessandro disse...

Bem, a questão quando tem assunto polêmico é sempre essa:Alessandro não aceita críticas e blá blá blá! Gostaria que vocês se colocassem na pele de algum parente ou vítima e que gostassem de ver o assassino do mesmo saindo na mídia o tempo todo! e de ver gente doente que vai achar isso o máximo e vai sair matando para aparecer na capa da revista também! não digam que isso não inspira os loucos a fazerem isso, que vocês sabem que inspiram sim! já houve diversas tragédias por aí até inspirada em filmes! e como bem falaram aí, os EUA tem um histórico de tragédias com psicopatas e terrorismo. não é colocando eles nas capas de suas publicações para vender que ninguém vai entender a mente doentia de um assassino! isso só vai satisfazer a curiosidade mórbida que a sociedade tem e ponto! esses argumentos que vocês estão usando de informação não é válido! até porque a maioria desses criminosos não demonstram ser o que é até que aconteça uma tragédia! parem de olhar para o próprio umbigo e parem também de querer ficar me criticando e tentem ter outra visão disso, pelo amor de Deus!

Anônimo disse...

Entendo o ponto de vista do Alê, mas a revista não está fazendo apologia ao cara. Os moleques que acham terrorismo legal devem ver p saber que podem acabar fuzilados também.

Anônimo disse...

Lendo os demais comentários, vale uma ressalva: não é só a cultura norte americana que cria seria-killers. Tem em todo país, psicopatas que matam sistematicamente tem em todo canto, o negócio é que nos EUA realmente tem mais visibilidade e mais casos escabrosos, maior quantidade, etc. Agora censurar um assunto pq as vítimas podem se sentir constrangidas? Não é por aí que se controla informação.

Alessandro disse...

Anônimo das 13:51, chocante é ver que para você o que importa é discordar de mim e não debater a questão! o meu ponto de vista já está escrito no post e eu o defendo, é claro! Eu não preciso concordar com você e nem você precisa concordar comigo! O irritante é saber que você prefere me criticar ao invés de debater o assunto! Isso que acho um tanto infantil, sabe? Pois sempre acho que pessoas maduras conseguem argumentar sem precisar disso, como muitas aqui tiveram a sapiência de colocar o seu ponto de vista contrário sem precisar ficar de "mimimi" Alessandro é assim! "mimimi" Alessandro é assado! "mimimi" esse blog já postou isso! "mimimi" esse blog já postou aquilo! Quer ter sua opinião levada a sério? Argumente com maturidade, meu bem! Só assim eu darei ouvidos aos seus argumentos! :)

Alessandro disse...

Anônimo das 15:09, não é bem censurar o assunto, sabe? e também não é questão de apenas constrangimento das vítimas. e o controle da situação também acho que não será por ser estampando na capa das revistas pra vender. O que acho é que isso pode acarretar em um endeusamento. Que fizesse a reportagem, tudo bem. Mas como a revista não é reconhecida por esse segmento, que não colocasse o menino na capa como chamariz pra vender. eu penso assim! até porque se fosse vítima ou parente de alguém que sofreu no atentado, eu me sentiria mal em ver o caso sendo sempre cutucado para render vendagens

Anônimo disse...

Não concordo com o Alessandro, nem com a revista: Querer censurar o que uma revista coloca na capa por se sentir incomodado foi o que tentaram fazer com a Hustler quando à época de seu lançamento nos EUA. E além de não dar certo, só aguçou mais a curiosidade das pessoas sobre o conteúdo da revista, pois a máxima "polêmica vende" é verdadeira.
A revista colocar o rapaz como terrorista é também precipitado, afinal não existiu julgamento, confissões foram obtidas de maneiras obscuras, e absolutamente ninguém provou nada de fato contra os rapazes...

Anônimo disse...

"Tentem ter outra visão disso"...cara na boa, tu é muito egocêntrico! Pq tu não segues esse exemplo, pq tu não pode ter a visão q muitos aqui destacaram.

Alessandro disse...

mas a polêmica só existirá e venderá, caso alguém pense em fazer uma matéria desse tipo, não é mesmo? como falei, o ser humano tem uma curiosidade mórbida a respeito desses assuntos. então, se não forem tocados, eles não ficarão curiosos a respeito. simples assim. e se não foi comprovado que o rapaz é terrorista e a revista mesmo assim o colocou na capa, é mais uma prova de que só queria polemizar para vender

Alessandro disse...

Anônimo, e porque você também não segue o exemplo de ser tão "pau no cu" comigo e debate o assunto, ao invés de ficar me analisando? não já sabe que eu sou assim? então muda o disco, meu! rsrsrsrsrs

Anônimo disse...

Mas Alessandro polêmicas geram publicidade e acessos. Vc faz isso no seu blog por exemplo, isso gera acessos. Ok, vc pode não concordar, agora falar q não deveria ser feito é outra história!
Várias capas da revista já geraram polêmicas ferrenhas, inclusive capas relacionadas com artistas. Já foi dito q o editorial da revista tem mudado, aí vc argumenta q ainda fazem capas com artistas, ninguém negou isso. Vc q se nega a perceber q a revista tem mudado, uma mudança aos poucos. A revista não é a mais a mesma, mas o seu argumento principal é criticar pq é a Rolling Stones. A mesma revista q já teve o Silvio Berlusconi numa de suas capas.
Ou seja, é falta de conhecimento seu! Vc foi com a boiada, q olha a capa e não se aprofunda.

Alessandro disse...

bem, eu não faço isso aqui com intenção, né? tanto que me surpreendo quando posto algo que acho que nem deveria ter tanta discussão assim e a coisa inflama. e acho que não vale a pena correr atrás das coisas pelo simples fato de publicidade e acessos. principalmente quando se trata de tragédia vitimando pessoas. isso para mim não é válido. querer vender em cima do sofrimento alheio não é legal

Anônimo disse...

Mas veja Alessandro o ponto principal: vc leu a matéria? Sem ler a matéria não acho correto opinar de forma tão categórico, sem conhecimento acho vazio isso.

Alessandro disse...

meu amor, entenda: eu só estou criticando a capa mesmo! em nenhum momento estou falando sobre o conteúdo da mesma! critico o fato de colocá-lo na capa como chamariz para vendas, é isso!

Anônimo disse...

Alessandro, concordo totalmente com você. Eu trabalho na Polícia Civil, e somos proibidos de divulgar notícias de suicídio, justamente porque vários malucos vão tentar também, depois de ver no jornal (se fosse publicado) a notícia de um suicídio bem sucedido. Neste caso, o raciocínio também vale, e não só deveria ser aplicado à Rolling Stone, mas a todos os veículos da mídia, que acabam endeusando estes maludos sem querer!

Anônimo disse...

O dia que o Alessandro disser "entendo seu ponto de vista, não tinha pensando por esse ângulo, me precipitei em julgar" vai nevar em Salvador!!

Laila M.

Anônimo disse...

é aquilo né...
depois de ler aos muitos comentários inflamados aqui só tenho uma coisa a dizer:

Vou já pra livraria cultura comprar a minha e ler a matéria inteira pq agora eu fiquei curiosa!

Mas fiquem tranquilos, não vou virar fundamentalista radical e nem pensar em praticar um atentado pra ter esse tipo de matéria vinculada a minha maravilhosa pessoa, ok?
Bjs

disse...

Sabe o q achei escroto pra cacete? Q a capa fez uma alusão a uma das capas mais ícones da revista, com o Jim Morrison. PQP! Óbvio q isso foi proposital.

Anônimo disse...

Capa kagada! não deu. A gente sempre imagina capas com alguém ou algo relevante. Errou a editora. Se eu fosse assinante cancelaria a assinatura imediatamente.

Alessandro disse...

Laila M., isso acontecerá no dia que o ponto de vista vier sem MIMIMI :)

Marília disse...

O anonimo de 17 de julho de 2013 às 15:32 falou tudo:

"A revista colocar o rapaz como terrorista é também precipitado, afinal não existiu julgamento, confissões foram obtidas de maneiras obscuras, e absolutamente ninguém provou nada de fato contra os rapazes..."

Antes de começar a discutir se a revista deve ou não colocar um "terrorista" na sua capa, temos que nos perguntar se ele é realmente um "terrorista".

Anônimo disse...

Marilia eu to cotigo totalmente...
Acho um absurdo condenar o cara sem o devido processo legal.
Pior que nesse caso materam um e deixaram o outro mudo. Palhaçada.

Anônimo disse...

Marilia eu to cotigo totalmente...
Acho um absurdo condenar o cara sem o devido processo legal.
Pior que nesse caso materam um e deixaram o outro mudo. Palhaçada.

Anônimo disse...

Nao concordo, nao acredito que foram eles e se fosse assim, filmes, series, novelas seriam um perigo. E sim, acho fascinante o mundo dos violentos (mesmo nao querendo fazer violencia).
Ah, os Eua sao bem violentos _ vide oriente...
Nina

Anônimo disse...

Olha o tanto d gente q existe, um ou outro doido sempre vai ter. Isso tem desde q o mundo existe...
Nina

Anônimo disse...

O cara, por enquanto, eh so o acusado. Nao foi julgado nem condenado. Moro em boston. Tem mta coisa nessa historia q vcs nem sonham pq a midia dai nao mostra. Por hora, ele eh so o suspeito...

Camila Gehrt disse...

Tb tô com a Rolling Stone. Primeiro precisamos entender que o cara ainda nem sequer foi julgado e depois não podemos esquecer que nunca devemos "julgar um livro pela capa". Temos que ler a matária antes de emitirmos algum parecer sobre o assunto. Outra: qdo vi a capa me senti feliz em saber que a antiga "personalidade" da revista, que costumava ter ótimos artigos e instigar o fluxo de debates, ainda não morreu.

Anônimo disse...

Tirando todo aspecto processual que cabe a justiça é, para mim, um pouco assustador ver uma das imagens onde o suspeito de um atentado esteja tão bonito diante de tantas imagens trágicas que foram veiculadas do acontecimento. Eu não posso condená-lo, não acredito cegamente na imprensa tampouco na polícia, mesmo sem ler o conteúdo da matéria fiquei bem confusa quanto às intenções da revista ao usar justamente essa foto onde o cara está bonitão, parecendo quase um popstar.

Anônimo disse...

BLogs sérios tem duvidado de versão oficial dos fatos e dito que esses irmãos podem ser simples bodes expiatórios. Assim, em se tratando de EUA, eu fico sempre com um pé atrás.

lea disse...

pensa se essa moda pega no brasilll, cada louco nao, isso td pra vender mais,

Anônimo disse...

sim, ele aparecendo na capa da RS, com essa fotinho linda, estilo rock star, hispter, sei lá, tá serto viu!

Anônimo disse...

Não se trata de censurar, como falaram acima. Também não se trata de ignorar que seja uma boa matéria, que certamente alerta sobre o que o levou a agir etc. Eu acho que o que choca é que a revista é tradicionalmente sobre pop star, artistas, e ainda por cima deu à foto um tratamento em que o cara saiu todo bonitão e charmoso, o que causa um apelo de simpatia, apologia mesmo, nas entrelinhas. Não chocaria se ele estivesse acuado, ou numa ficha policial, ou sendo preso, como já vimos em inúmeras capas com Sadam, Bin laden, Kadafi, Maluf, José Dirceu, Unabomber, Maníaco do Parque, Alexandre Nardoni, Suzane von Richtofen etc etc etc

Anônimo disse...

Olá,

Entendo e concordo c/o seu pto de vista - faltou respeito às vítimas

Já deixei de comprar muita revista q gosto simplesmente pq não gosto da capa (apelação não faz o meu tipo- rs)

Sem falar q existem matérias compradas em várias revistas (já trabalhei no mundo da moda e sei exatamente como isto funciona - só p/dar um exemplo, claro)

Bjos,

Marie

Woodstock disse...

há tempos essa revista deixou de ser só de música, infelizmente!

Postar um comentário

Apimente bem gostoso com o seu comentário, gostando ou não do que foi publicado, mas tente ao menos ser coerente e educado na opinião dada, visse? Eu não sou obrigado a escutar desaforos no meu espaço e te devolvo o baile com gosto de gás! rsrsrsrsrs

Vem comemorar a semana do Dia Internacional da Mulher
Caso não esteja visualizando as imagens,acesse aqui
 
 
Duloren
Lançamentos Sutiãs Calcinhas Modeladores Diva Plus Size Cuecas
Frete Grátis
Dia internacional da mulher
Aproveite
Chat Online
Central de Atendimento:
Para realizar qualquer troca de produtos, seja por causa do modelo, tamanho ou cor, não há custo adicional para a 1ª troca e a Duloren oferece um prazo de 30 dias após o recebimento do produto. Caso a nova peça seja de uma referência diferente da peça devolvida, será gerado um crédito no valor do produto a ser trocado para a realização de uma nova compra. Para saber mais, acesse Política de Troca ou Devolução.
Custo e Prazo de Entrega:
O frete é grátis para qualquer lugar do Brasil em compras acima de R$ 120,00. 
Depois que o pagamento estiver confirmado, o envio do(s) produto(s) ocorrerá o quanto antes, mas o prazo depende de sua localidade. Para saber mais, acesse Entrega e Frete
Formas de Pagamento:
As compras podem ser feitas em até 5 vezes sem juros em todos os cartões, com parcela mínima de R$ 30,00.
Trabalhamos também com outras formas de pagamento, como débito, boleto bancário e PayPal.

Sobre a Duloren:

A Duloren, líder de mercado em moda íntima no Brasil, fundada há 53 anos, tem um forte e consistente DNA que está baseado na produção de tecidos altamente tecnológicos com desenhos, rendas e elásticos exclusivos, acrescentado à tinturaria própria e à fabricação dos seus insumos. Para atender as mais diversificadas solicitações do mercado consumidor, a Duloren produz e comercializa hoje as marcas Duloren e Femmina.

Com capital 100%% nacional, produz cerca de 1,2 milhão de peças por mês. A Duloren orgulha-se de ser inovadora e estar na vanguarda da estratégia de mercado. Através de avançados planos de marketing, a empresa é reconhecida como pioneira da moda íntima, lançando coleções simultaneamente

Atenção:  

Preços e condições válidas somente para este e-mail, em compras na loja online da Duloren.
Promoção válida até 08/03/2017.As condições podem se alterar após o envio dessa mensagem.
Confira todas as informações sobre produto, preço, tamanho e cor antes de concluir a compra.
Os descontos são válidos durante o período de divulgação e dependem da disponibilidade de estoque.