RSSTwitter

quinta-feira, 7 de novembro de 2013


Bandido bom é bandido morto?

Sim, eu sou da opinião que bandido bom é bandido morto mesmo, não nego! Já que muitos desses filhos da puta não pensam duas vezes em tirar a vida de um ser humano em troca de um reles celular, por exemplo. Mas não é que assistindo ao vídeo abaixo comecei a repensar um pouco sobre essa minha visão?

Vídeo: Youtube



 E vocês, o que acham?

15 comentários:

Davina disse...

em silencio estou

Anônimo disse...

Ainda não assisti o video, mas descordo totalmente que bandido bom é bandido morto. Eu acho que são inumeros os aspectos que tornam um ser humano bandido, certamente os principais estão relacionados a ignorancia, descaso do poder publico e falta de instrução/oportunidade.
Acho muito injusto, agente, do conforto do nossa mac, na nossa caminha gostosa, dentro de uma casa que nos pertence, que tem comida na geladeira, depois de ter recebido muito amor carinho e conversa com os pais, falar que bandido bom é bandido morto.
Ta certo que tem mesmo os pilantras, tem mesmo os malvados, mas ainda que só esses fossem mortos, quem seria o matador? O policial, como já é o que acontece? Ou o poder judiciário super eficiente do Brasil??
Eu já fui assaltada, já entraram na minha casa, no meu quarto comigo dentro e roubaram tudo que era meu. Tambem já roubaram meu celular num tunel aqui de SP. Confesso que senti raiva, desprezo, desejei a morte da pessoa, mas não durou mais que 5 minutos, primeiro porque é injusto, depois porque matar não é eficiente pra nenhum tipo de controle (vide os EUA, onde a taxa de homicidios não diminuiu, pelo contrario, aumentou, depois que a pena de morte foi aceita)e por fim, por eu acreditar francamente que cada um é mestre do seu universo e deve agir de acordo com sua consciencia e necessidade, e pro futuro, seja o que Deus quiser.
Cada um colhe o que planta, isso é fato, e, na minha opinião, não cabe a mim, nem a ninguem, julgar quem deve viver e quem deve morrer, independente da atrocidade cometida.
Aline

Anônimo disse...

Parei no "agente"....

Anônimo disse...

Hahaha depois do agente, A GENTE te dá um desconto...

Fica a dica: leia as paginas amarelas da Veja dessa semana, e verás que esses problemas todos, comprovadamente não são tão influentes na mente dos criminosos como pensas, anonimo 13:12!

Anônimo disse...

Se vc le e acredita no que diz as paginas da veja a "agente" vai desconsiderar o seu comentário!

Anônimo disse...

vídeo péssimo!!

Andik Correia disse...

Assisti e continuo com a mesma opinião de antes! Bandido bom é bandido morto!!

Márcia disse...

Quem está chocada sou eu, vendo essas pessoas desprezarem um texto com uma ideia tão boa por conta de uma palavra escrita errada. Pessoas com a cabeça dura evoluem muito devagar, que tal antes de linchar os outros ver o que eles têm pra oferecer de bom, como esse pensamento lindo do anônimo das 13:12? Muito difícil encontrar quem pense assim, fico até aliviada quando encontro. Antes de ser bandido, o cara é ser humano, não importa quantos matou. É possível restaurá-lo SIM, o problema é que nem se tenta, e se esse conformismo só viesse do governo eu até ficaria mais feliz de falar, mas vem do povo mesmo, é triste. Gente pilantra, aproveitadora e injusta tem em todo lugar e não são só os assassinos e estupradores. Esse preconceito e essa ira descontrolada com os criminosos é o que faz nossas cadeias serem o que são; como se fossem lixeiras, abarrotadas de gente vivendo sem o mínimo de dignidade. Educação dentro das prisões? Pra que, né. Como se espera que se saia dali um bom cidadão quando não há meios para isso? Se matar fosse a melhor solução nem teríamos uma lei que o proibisse, pra início de conversa. "Bandido bom é bandido morto" é uma frase muito nazista pro meu gosto. Depois querem igualdade, fim do preconceito, paz... Vai entender...

Anônimo disse...

Oi, Alê! Tudo bem? Embora eu visite sempre o "Pimenta" e goste muito dos posts, em especial os seus, é a primeira vez que decido comentar por aqui.

Não sou muito de me envolver em discussões em meios virtuais, pois, para mim, os discursos mais frequentes nesses espaços tentam impedir a realização de um debate. Sei que o "Pimenta" tenta nos divertir (e consegue isso com êxito, haha), porém há publicações que nos fazem refletir e pedem reações um pouco mais estruturadas do que nossa felicidade louca com o bofe do dia. Falo isso, pois alguns podem achar que estou levando muito a sério a discussão, uma vez que esse site é "somente de entretenimento" — e, aliás, essa frase já seria um bloqueio ao debate. Mas, poxa, essa questão colocada no post é séria mesmo, gente! Haha

Nos comentários, fiquei um tanto triste com a reação de duas pessoas em relação ao comentário da Aline. Gente, o tom principal da argumentação de vocês foi de ridicularização da posição dela — contrária aos seus posicionamentos — em razão de, simplesmente, um erro gramatical que ela cometeu. Isso é preconceito; é preconceito linguístico. Nesse movimento de rir do outro por causa do "agente", vocês não estão julgando o erro em si, mas, claro, a pessoa que o escreveu dessa forma. E desconsideraram a opinião dela ou começaram uma argumentação deseducada em razão desse erro. A propósito, o comentário da Aline desenvolveu muito melhor as ideias defendidas por ela e expressou seus valores de modo muito mais preciso e honesto do que os dois comentários em resposta, mesmo tendo escrito "a gente" junto. Sei lá, só achei essas duas manifestações desrespeitosas, pois, como disse, desmoralizaram a opinião do outro colocando em destaque a ortografia equivocada, como se isso fosse algum tipo de argumento.

Segundo, e esse se destina a você, Alê. Eu gostei muito de ler o final do seu post, porque vejo poucas pessoas abertas a mudar de visão sobre determinado assunto.

Para terminar, deixo minha opinião a respeito: eu não vou comemorar a morte de ninguém (nem mesmo do Feliciano, aquele homem desumano!) Ainda acrescento que não entendo muito bem a lógica dos discursos que são contra a violência dos bandidos, mas defendem a polícia, uma das instituições mais violentas do Brasil. Não tô criticando o policial trabalhador, mas a estrutura da instituição policial, que é militar. E o vídeo mostra bem que "bandido bom é bandido morto" é o discurso de classe dominante — porque, né, o empresário que sonega impostos e o menino do bairro nobre que dirige bêbado, mata e foge não são bandidos nessa lógica bizarra.

Vivian

Anônimo disse...

Pois continuo achando q é bom morto mesmo!

Anônimo disse...

Amei o comentario da Vvian e da Marcia, tornando evidente a separação entre o joio e o trigo, ou entre aqueles que se disponibilizam a refletir um pouco mais profundamente sobre o assunto, daqueles que "parei no agente"!!!!
Beijos

Anônimo disse...

O que causa indignação nesse país é a impunidade, pois mesmo os crimes mais graves acabam sendo atenuados quando o cara é condenado e depois cumpre 1/6 da pena. É isso que leva ao pensamento radical, se quem deveria punir, acaba não punindo, o povo dá sua sentença.

Anônimo disse...

Sim. O problema é que, por trás do pensamento "Bandido bom é bandido morto", há muito mais do que uma revolta à impunidade existente no nosso país e uma consequente sentença pessoal.

Junto com a apropriação desse discurso, deveria-se refletir sobre qual o tipo de sociedade e de Estado que se está defendendo ao se expor um raciocínio o qual sustenta uma Justiça que não se apoia em um processo legal. Ou ainda: que tipo de sociedade se defende ao se manifestar a favor da pena de morte de forma institucionalizada?

Deve-se ainda ressaltar, porque algumas pessoas parecem se esquecer disso, que mesmo que o cara tenha matado alguém, ele continua sendo uma pessoa. Outro dia, em um sábado de manhã chuvoso, passei em frente a um presídio e vi uma fila enorme de pais e mães esperando para visitar seus filhos, "aqueles" bandidos.

O vídeo ainda mostra outro aspecto bastante perverso por trás desse discurso: o bandido de "bandido bom é bandido morto" tem nitidamente cor e classe social específicas. É tudo uma questão de classe.

Vivian

olga motta disse...

O melhor de tudo é desconstruir nossas certezas, o tempo todo, com tudo... sinal de crescimento, humildade, amadurecimento.

Anônimo disse...

Eu acho que bandido bom é bandido morto, quando comete crimes contra a vida e integridade física das pessoas, sejam pobres ou de colarinho branco, cujos crimes têm reflexos gravíssimos.

Quanto aos que consideram "preconceito" apontar erros de português... Além de "agente", a pessoa escreve "descordo". Eu acho que quem escreve mal lê pouco, por consequência... tirem suas próprias conclusões.
Pode até ser antipático, mas eu não consigo respeitar a opinião de quem escreve mal, que por acaso, no caso, diverge mesmo da minha.

Postar um comentário

Apimente bem gostoso com o seu comentário, gostando ou não do que foi publicado, mas tente ao menos ser coerente e educado na opinião dada, visse? Eu não sou obrigado a escutar desaforos no meu espaço e te devolvo o baile com gosto de gás! rsrsrsrsrs