RSSTwitter

terça-feira, 21 de janeiro de 2014


Conheça as rolezeiras

A moda agora é "dar um rolezinho", fenômeno que consiste em um enorme número de jovens combinar um encontro através das redes sociais para ir ao shopping “curtir, tumultuar e tirar várias fotos”. E a gente se pergunta: porque esses jovens não se agrupam dessa forma para tentar produzir um pouquinho mais de massa cinzenta em suas cabecinhas de vento?

Vídeo: Youtube



Porque rolezinho em um livro para estudar ninguém quer, né?


22 comentários:

Anônimo disse...

Nossa, só fiquei sabendo dessa história agora, quando começou a aparecer na tv, mas pelo amor, pra que isso?
E tipo, ja ta virando bagunça essa coisa de TUDO virar manifestação. Eles querem manifestar contra o shopping porque não deixam negros e pobres entrarem (?)
oi?
Que eu saiba eles só tão impedindo o vandalismo, pelo que eu vi, pelo menos.
Nego entra la, quebra tudo, faz bagunça, ATERRORIZA as famílias, que ficam apavoradas (imagina estar no shopping com criança, enfim), e ainda querem que todo mundo olhe e concorde.
Acho que eu nunca vi uma coisa tão sem sentido.

Anônimo disse...

ai eles sãos muitos brutos

Anônimo disse...

Concordância verbal não se vê por aqui! Que absurdo!

Anônimo disse...



ô juventude perdida..

Anônimo disse...

E os pseudo comunistas e socialiostas de plantão, querendo transformar a baderna em movimento social.
E a ministra da "igualdade racial" dando depoimento de que era uma revolta do povo negro que queria frequentar o mesmo lugar onde só tem branco.
Ou seja, mais racista impossível. Mas, se é de negro para branco, claro que pode, né?

Anônimo disse...

Gente bonita q é bom ñ vi!!!

Anônimo disse...

Antes de querer transformar o rolezinho em movimento social, essas crianças devem ser mandadas pra escola!

Anônimo disse...

Shopping discrimina sim. Mas não sei se está é a melhor maneira de se protestar.

Anônimo disse...

A discriminação do shopping é financeira, quem pode compra, quem não pode não compra.Isso aí não é protesto. Como se viu aí nos depoimentos, essa meninada não tem objetivo algum, as meninas nem se dão ao respeito, olha os caras que elas querem impressionar. Agora, se eles acham que podem entrar em bando no shopping para zoar, o shopping também pode decidir fechar. Eu sou dona do meu negócio, eu decido para quem eu abro minhas portas e também se quero colocar pra fora, o que eu já fiz de fato.

Anônimo disse...

O, "Dona do meu negócio", você não pode decidir pra quem abre as portas ou não. Se faz, saiba que é crime. Procure estudar um pouquinho mais o CDC, mais precisamente o artigo 39.

Anônimo disse...

Ô anônimo das 19h57, abra seu negócio, invista toda a grana de sua família e abra as portas para esses baderneiros escrotos.

fique a vontade.

Anônimo disse...

Eu, como adoradora de livros, estou convocando os jovens para um rolezinho nas bibliotecas públicas, nas bibliotecas "escolares" e nas salas de leitura. Será que terei sucesso???????????


Glória

Anônimo disse...

Fiquei até zonza de escutar estas meninas!

Anônimo disse...

Quando a gente pensa que já viu de tudo desses jovens, aparece cada coisa...o que são aqueles bicho de bermuda branca rebolando e essas gurias que não tem respeito a si própria!
Conclusão é que essa juventude vai fera mais ainda com o país!

Deus tenha misericórdia disso tudo!
sauhaisuhaisuh

:* Luciana

Anônimo disse...

mas meu deus, se fosse minha filha levava uma boa coça!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

"nós foi barrada pelos segurança"....hahahaaha! Estudar pra que ne?

lea disse...

rolezinho pra limpar as praias ninguém quer ne????trabalhar que e bom entao nem se fale, pior de td e a mídia dando ibope pra esse bando de desocupado ninguém merece.

Anônimo disse...

Engraçado essa historia de "vai dar um rolezinho nos livros". Ah, porque a influências que esses jovens recebem na sociedade brasileira está muito ligada à leitura, né? A quantidade de pessoas representativas nas mídias, por exemplo, são pessoas muitas cultas que pregam o amor ao estudo, né? A refêrencia cultural que esses jovens de classe baixa tem é que aparência e status obtido pelo posseder garante uma visibilidade social. Acho muito interessante essa ideologia de meritocracia social que vemos nos comentários, como se a responsabilidade da não cultura fosse tão somente desses jovens e não da sociedade brasileira como um todo. Mas esse pensamento individualista muito frequente e demonstra uma incapacidade de se colocar na posição do Outro.

Anônimo disse...

Que mania de certas pessoas tem de culparem a pátria pelo nível vergonhoso de cultura, inteligência e valores desse povo. A culpa é deles próprios e de seus pais. Sempre fui pobre, ficava sozinha em casa, minha mãe fora o dia inteiro trabalhando como faxineira e a mídia NUNCA foi responsável por minha formação cultural. Livros e estudo estão acessíveis para qualquer um, independente da situação financeira ou do que a mídia dita. Que pensem com seus próprios cérebros e não guiados como gado pelas modinhas da tv, revistas e internet. Mas sempre tem um maconheirinho comunista para culpar a sociedade pelos erros de uns marginais acéfalos desses.

Anônimo disse...

Anônimo das 16h11. Como assim "mania de culpar a pátria pelo nível vergonhoso"?! Quem é o responsável pela organização da educação em um país? E a mídia tem sim um papel muito importante na formação cultural da sociedade em geral, dos jovens em particular. Adoro esse tipo de resposta que sempre coloca a experiência pessoal como regra, tudo bem você foi uma pessoa culta mesmo sendo pobre, mas você acha que isso é a regra geral? O que existe nos bairros pobres que incentivam à cultura? Biblioteca, cinema, salas de concerto, museus? A TV aberta brasileira (exceto a TV Cultura) oferecem programas de qualidade para esse público? Acredito sim que a responsabilidade do nível cultural baixo é em grande parte do estado brasileiro. Agora a sua última frase é de doer e mostra quão alto é o seu nível. Eu acho que esses jovens ocupam os espaços que a sociedade impõe como espaços de valor. Rico adora fazer compra em "boutique" de luxo nos shoppings, mas pobre não pode dar rolezinho porque lugar de pobre é na perifa, né? Me poupe....
Carla

Anônimo disse...

Jovens de classe baixa nada, tem muita gente aí com boas condições financeiras, vide a it girl dos rolezinhos, que gasta cerca de R$430,oo por rolê comprando novos looks e gasta R$500,00 com um tênis de uma marca famosa, e a mãe ainda diz que ela é uma menina cara...
Pelo amor de deus, isso é preguiça de ser mais na vida, vai estudar, trabalhar, não vejo nada de protesto aí.

Anônimo disse...

Jogaria todos na Fundação Casa e perderia a chave.

Postar um comentário

Apimente bem gostoso com o seu comentário, gostando ou não do que foi publicado, mas tente ao menos ser coerente e educado na opinião dada, visse? Eu não sou obrigado a escutar desaforos no meu espaço e te devolvo o baile com gosto de gás! rsrsrsrsrs

Vem comemorar a semana do Dia Internacional da Mulher
Caso não esteja visualizando as imagens,acesse aqui
 
 
Duloren
Lançamentos Sutiãs Calcinhas Modeladores Diva Plus Size Cuecas
Frete Grátis
Dia internacional da mulher
Aproveite
Chat Online
Central de Atendimento:
Para realizar qualquer troca de produtos, seja por causa do modelo, tamanho ou cor, não há custo adicional para a 1ª troca e a Duloren oferece um prazo de 30 dias após o recebimento do produto. Caso a nova peça seja de uma referência diferente da peça devolvida, será gerado um crédito no valor do produto a ser trocado para a realização de uma nova compra. Para saber mais, acesse Política de Troca ou Devolução.
Custo e Prazo de Entrega:
O frete é grátis para qualquer lugar do Brasil em compras acima de R$ 120,00. 
Depois que o pagamento estiver confirmado, o envio do(s) produto(s) ocorrerá o quanto antes, mas o prazo depende de sua localidade. Para saber mais, acesse Entrega e Frete
Formas de Pagamento:
As compras podem ser feitas em até 5 vezes sem juros em todos os cartões, com parcela mínima de R$ 30,00.
Trabalhamos também com outras formas de pagamento, como débito, boleto bancário e PayPal.

Sobre a Duloren:

A Duloren, líder de mercado em moda íntima no Brasil, fundada há 53 anos, tem um forte e consistente DNA que está baseado na produção de tecidos altamente tecnológicos com desenhos, rendas e elásticos exclusivos, acrescentado à tinturaria própria e à fabricação dos seus insumos. Para atender as mais diversificadas solicitações do mercado consumidor, a Duloren produz e comercializa hoje as marcas Duloren e Femmina.

Com capital 100%% nacional, produz cerca de 1,2 milhão de peças por mês. A Duloren orgulha-se de ser inovadora e estar na vanguarda da estratégia de mercado. Através de avançados planos de marketing, a empresa é reconhecida como pioneira da moda íntima, lançando coleções simultaneamente

Atenção:  

Preços e condições válidas somente para este e-mail, em compras na loja online da Duloren.
Promoção válida até 08/03/2017.As condições podem se alterar após o envio dessa mensagem.
Confira todas as informações sobre produto, preço, tamanho e cor antes de concluir a compra.
Os descontos são válidos durante o período de divulgação e dependem da disponibilidade de estoque.