RSSTwitter

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014


Uma palavrinha sobre intolerância

Vocês sabem o quanto eu sou exaltado em minhas respostas, não? O babado é que muitos leitores me taxam de não aceitar uma resposta contrária, mas a verdade não é bem essa não, visse?

Sou o tipo de pessoa simples e mais do que direta! Se falo sobre assunto X, quero mais é que as pessoas comentem, de forma civilizada é bom salientar, sobre aquele assunto e não ficar tentando ler a minha personalidade, puxar assunto velho ou o coisa que o valha. Da mesma forma que confirmar minha visão não é querer ser discordante ou ser aquele que está coberto de razão, e sim defender minhas ideias. Assim como você deve também defender as suas, “meu”! Mas sem precisar dar sermão desnecessário, sem tentar ser superior, dar uma de analista ou querer que a pessoa engula de todo o jeito que o seu pensamento é que seja o certo!



Devo confessar que não suporto mesmo quem chega em barraco alheio gritando suas verdades! Se a pessoa chega assim na “voadora” eu já tapo os ouvidos ou revido o comentário de forma mal criada mesmo. Já que creio, veemente, que se você expor sua opinião de forma educada na casa dos outros (sendo essa blog, redes sociais ou, principalmente, na sua residência mesmo), vai receber de volta um debate sadio e também educado. Agora não dá pra você chegar no espaço alheio já abrindo escapate e cuspindo: “Você é isso!”, “Você é aquilo!”, Você não entendeu nada!”, etc., e querer que a outra parte escute tudo passivamente. Chegue com calma que a gente conversa, pois ninguém aqui é isento de defeitos e nem de qualidades. Então, nunca queira ser melhor que os outros, pois sempre existirá alguém um degrau acima de você. Sempre...

Mas bem, esse desabafo tá rolando por conta que postei lá no perfil e fanpage do Pimenta o trecho abaixo publicado em uma matéria da Folha de São Paulo acerca do que os homossexuais devem agir para não padecer de violência homofóbica.



Sei que a região da Augusta está um caso sério mesmo! Mas não é um jornal publicando essas dicas idiotas que algo irá mudar não! Quer dizer que as pessoas agora terão que mascarar o que são para não sofrer violência? Temos é que cobrar do governo mais segurança e, desculpem o que vou falar agora amigos gays, mas vocês também deveriam parar de frequentar a academia só por questões estéticas e investir em um curso de defesa pessoal para não continuarem ser vistos como umas “mariquinhas” indefesas, não? Que adianta ter um corpo todo trabalhado nos músculos se não conseguem sequer enfiar a mão na cara ou chutar o saco de um filho da puta que vem te agredir?




Vídeo: Youtube 



E para a amiga leitora volto a falar que não concordo com o isso que a Folha de São Paulo resolveu publicar sobre estratégias de segurança, pois se pensarmos dessa forma retrógrada, arcaica e deveras ridícula, iremos viver em um mundo assim:





É dessa forma que você quer viver? Eu não!!!!!

11 comentários:

Fernanda Schickling disse...

Mais uma vez essa postura retrógrada de que a culpa da agressão é dos agredidos!!! Até quando??? Aqui na Alemanha os casos de homofobia também não são poucos e foi determinado que as escolas incluam em sua grade curricular a tolerância a todas as manifestações da sexualidade, numa campanha que diz "não importa do que você gosta, isso é natural", para que as crianças desde cedo vejam a hetero ou homossexualidade como normais. Claro que não adianta a escola fazer todo esse movimento quando em casa uma criança escuta do pai ou da mãe que homens ou mulheres se beijando é uma aberração. Acho que, independente de sua orientação sexual e religiosa, o respeito ao próximo deve estar acima de qualquer preceito.
Dia desses ouvi um absurdo de uma senhora mais velha: ela viu uma menina que tinha uns 10 anos com uma roupa muito adulta para a idade e disse: "não é de se espantar que existam tantos pedófilos soltos por aí, com essas meninas andando desse jeito!" Gente! Eu tive que me segurar para não fazer escândalo, porque a "doce" velhinha simplesmente colocou a culpa da pedofilia crescente em como as crianças andam por aí!!!!!!! E essa é a mesma linha de pensamento que esse jornalzinho está espalhando: não quer ser agredido, então não faça por onde, sendo o que vc é. Até quando, né????

Anônimo disse...

Concordo com você na questão de sempre expor os comentários, ideias ou opiniões de forma coerente, saudável e principalmente educada. E sim, a Folha foi extremamente infeliz nessas "dicas". É mais ou menos o equivalente a não use roupas curtas se não quiser ser estuprada...

Mas devo confessar que perdi o fio da meada com esse vídeo. Não sei exatamente qual a situação que desencadeou a cena, mas me parece que o menino de bermuda está bastante exaltado. Claro que não posso julgar o que ele está sentindo, ou o que aconteceu, mas, na minha opinião, sempre que a pessoa parte para gritos e ameaças verbais, ela perde a razão e se torna intolerante.

A pessoa que dá vazão ao grito, em vez de ponderar e tentar chegar num consenso perde a razão do seu argumento ao meu ver. Sinceramente, acho que as coisas não se resolvem dessa forma, e talvez se tivéssemos menos pessoas "gritando" por suas ideias, toda a sociedade seria mais tolerante.

Se interpretei mal, perdão. Só achei o vídeo um pouco desfocado no tom do seu texto.

Anônimo disse...

Quando li a matéria, tive a impressão de que estavam reportando o comportamento que os gays assumiram para se proteger, e basearam as tais "dicas" nesse comportamento. O tal quadro é infeliz, mas não vi a matéria pelo mesmo enfoque colocado aqui.

Anônimo disse...

Concordo! Não devemos nos esconder! Isso seria em retrocesso! A Folha prestou um grande desserviço, pois as tais medidas só pioram as vidas das vítimas, quando o enfoque deveria ser educar e punir os agressores...

Anônimo disse...

Nao li a matéria toda, mas será q nao estão tentando ajudar? ( sei q de bem intencionados o inferno ta cheio...

Anônimo disse...

Ale, arrasou! Verdadeiro absurdo o veiculado pela Folha! E engraçado que esse tipo de abordagem já vem sendo rechaçado há muito tempo pelo movimento feminista, contra a questão da política "antiestupro" que pune/julga a mulher que "não se previne".

Anônimo disse...

Alessandro vc esta certo!! Eu acho q os gays,garotas de programa e nao so deveriam SIM investir em defesa pessoal,ha tanta violencia extremamente desnecessária que da medo,hj ha tantos casos de mulheres sendo espancadas todos os dias e mortas..acho super certo sua ideia hj q infelizmente vivemos em um Brasil q virou mais foi uma terra sem leis,um verdadeiro bang-Bang,o salve-se quem puder..todos nos temos mais e que nos defender como pudermos..e inacreditável pagarmos impostos altíssimos e nao recebermos de volta a segurança,a saude e a educação..brasil e um pais lindo e rico mas tomado pela corrupção q impera a séculos!!!

Anônimo disse...

falou tudo

Alessandro disse...

Anônimo das 17:55, o caso do vídeo foi o seguinte: o rapaz começou a xingar o menino de shorts por ele ser gay. Daí então o menino não se fez de rogado e o atacou verbalmente, algo que o outro não esperava, já que esses homofóbicos esperam que os gays não reajam. Tanto é que no vídeo dá para notar que o fiscal do metrô nem interfere no caso pois sabe que quem começou errado foi o outro ao xingar e não o de shorts curtos por discutir pela falta do bom senso de alguém xingar uma pessoa só por conta da sexualidade

Alessandro disse...

Anônimo das 18:55, é como falo no texto, independente de qual lado veio as tais "dicas", quem publicou foi o jornal! Seria o mesmo se um jornalista te perguntasse para você qual seria a dica de quem viesse fosse mal educado e você falasse "enfiar a mão na cara da pessoa". Seria certo publicar isso? Não! Você até pode achar correto enfiar a mão na cara da pessoa, mas não é papel do veículo de comunicação incentivar isso.

Denise disse...

Concordo Alê, agora as pessoas vão ter que esconder o que são, não vestir o que gostam... para agradar gente intolerante. Me poupe, né?!

Postar um comentário

Apimente bem gostoso com o seu comentário, gostando ou não do que foi publicado, mas tente ao menos ser coerente e educado na opinião dada, visse? Eu não sou obrigado a escutar desaforos no meu espaço e te devolvo o baile com gosto de gás! rsrsrsrsrs