RSSTwitter

terça-feira, 7 de junho de 2016


Me descobri preconceituosa

O momento atual brasileiro tá super bagunçado com esse Jogos Vorazes do Poder, onde pessoas tem se mostrado cada vez mais intolerantes com visões políticas diferentes e amizades sendo desfeitas apenas porque fulaninho acha que você não deve seguir seus próprios questionamentos. Aliás, se você tem um "amigo" radical assim, não fique triste por ele se afastar de você. Amigos verdadeiros não fazem esse tipo de coisa e chega até ser um favor você ficar consciente que essa pessoa não te respeita o suficiente para ser  realmente seu amigo. Então, vida que segue para ele e para você também. Não vale a pena estressar.

Mas bem, um fato muito legal que tem rolado atualmente também é que o povo do nosso país parece estar usando um tiquinho mais de sua massa cinzenta, debatendo bastante sobre diversos assuntos, e conseguindo analisar conceitos e preconceitos, mudando assim, seu modo de pensar. Claro que não são tantas as pessoas que agem assim, porém dá um sentimento de esperança que ainda temos jeito quando nos deparamos com depoimentos emocionantes, como foi hoje o caso da jornalista Beatriz Franco em uma postagem em seu perfil no Facebook, cujo texto reproduzo abaixo para vocês, pois me deixou bastante reflexivo e sinto que dormirei já já pensando sobre o mesmo.





Me descobri preconceituosa. Eu, que defendo tanto a igualdade de gêneros, de cor, de religião, que tenho amigos gays, nordestinos, evangélicos, jovens, velhos, com dinheiro e sem, até coxinhas e petralhas! Vários tipos de rótulos.


Explico: Nos últimos meses, minha área de trabalho – como muitas – está muito ruim. Em quatro meses não consegui quase nada. Então, depois de meses me enterrando num sofá perdendo tempo, vida e dinheiro, surgiu a oportunidade de ajudar uma amiga atendendo clientes em sua loja de doces. Quatro vezes por semana, período da tarde, remunerado. Uma boa forma de ocupar a cabeça, sair de casa e ter algum dinheiro. Foi aí que veio o primeiro julgamento: Eu, balconista? Jornalista, três idiomas, currículo em comunicação, trabalhando de touquinha na cabeça servindo os outros? Foi difícil tomar essa decisão, mas aceitei, estou precisando. 


Dias depois, a cena durante a tarde, limpando uma das mesas, ouvi dois clientes conversando: “Coloco acento em ‘tem’? Mudou com a nova ortografia?” “Não sei. Não entendo.” E eu ali me remoendo pra dizer “eu sei, eu sei!!!”. Mas, eu era só uma atendente e eles não iriam acreditar que eu sabia. Depois a barreira seguinte: conhecidos e colegas antigos entrarem na loja e me verem nessa função. “O que eles vão pensar? Eles não sabem como cheguei até aqui, que a dona é minha amiga, vão pensar que não dei certo na vida.”


Dá pra entender como isso é errado??? Era com essa inferioridade que eu via os outros atendentes, balconistas e nunca tinha percebido! Sentia vergonha por estar em um trabalho honesto, justo, que traz alegria para as pessoas, que auxilia os outros? Eu deveria é ter vergonha de mim por pensar assim, por tanta falta de humildade e empatia.


Por um preconceito idiota eu ia perder a chance de conhecer tanta gente nova como nas últimas três semanas, de ouvir tantas histórias de vida como sempre gostei de fazer, de aprender um novo trabalho, de ajudar uma amiga, de ter dinheiro pra comprar uma nova bicicleta, pra ir no casamento de uma amiga em outra cidade, de viver! Em tão pouco tempo, esse trabalho que eu achava tão inferior já me ajudou a estar mais feliz, disposta, a ter novas ideias, entender como uma pequena empresa funciona, a buscar cursos para aprender mais.

Como dizia meu avô: A vida não é como a gente quer, é como ela se apresenta! Então, estou aqui aceitando com muito amor e gratidão o que me foi apresentado. Aceitando novas formas de crescer e evoluir com, por enquanto, um preconceito a menos. Hoje, estou aqui, jornalista, tradutora, professora de idiomas, aprendiz de gestora e sim, atendente de um ateliê de doces. E o que mais precisar, a gente aprende a fazer também! E, modéstia à parte, eu tbm fico linda de touquinha! 


 

4 comentários:

Anônimo disse...

Sei como é isso! Sou formada em Fonoaudiologia e na época (2007) em que não consegui emprego na minha área fui trabalhar como recepcionista na Caixa Econômica da minha cidade. Tb pensei o mesmo: "nossa, todo mundo mundo vai me ver aqui, vão perguntar pq n estou na minha área, vão achar q n fui capaz de ser bem sucedida na minha profissão"... Que se dane! O importante é que fiz meu trabalho com dedicação, fiz amizades que conservo até hoje! Fiquei lá por quase 01 e só saí pq consegui vaga na minha área. Hoje trabalho numa clínica cuja recepcionista é recém formada em Psicologia. A vida é assim, a gente agarra com força todas as oportunidades que aparecem, o importante é não esmorecer!!! Bjos, Alê!

Anônimo disse...

Agradeçam à Dilma e ao PT essa merda em que o país se encontra depois de 13 anos de gastança irresponsável. Não tem mais empregos, existem só ocupações!

Anônimo disse...

Sei como é isso pq sou formada em Jornalismo e trabalho como recepcionista. Confesso que isso me incomodava mto, pq sempre sonhei em ter uma carreira e ser bem sucedida, até que um dia minha chefe colocou uma plaquinha na porta da sala com os dizeres: "Sucesso é dormir com a consciência tranquila."
Realmente, depois que consegui esse emprego, sorrio ao chegar e ao sair, durmo bem e domingo à noite assisto Fantástico numa boa, sem me desesperar com a trilha rs
Sucesso é relativo, tem gente que constroi uma carreira às custas de lágrimas, aprendi que a estabilidade do sorriso é o que importa. Não que eu vá desistir, mas é preciso reconhecer a importância de cada momento e o aprendizado de cada oportunidade.

andrea gomes disse...

Sei lá, ela me parece equivocada quanto ao conceito de preconceito, parece que ela se sentiu inferior, fazendo um trabalho de balconista e se preocupando com o que os outros iriam falar. Isso não é preconceito é insegurança.
O fato dela ter mudado de função é circunstancial, haja vista a situação do País, há quem mude por opção, tive uma colega de trabalho, desenhista-projetista, com um excelente salário, que largou tudo no Brasil e foi pra Austrália, trabalhando com frentista de posto de gasolina. E acha normalíssimo.
Infelizmente existem muitas pessoas nessa situação da jornalista, engenheiros que passaram a dirigir táxi, e agora com esse serviço de UBER tem muitas pessoas com nível superior na profissão de motorista. É a vida!

Postar um comentário

Apimente bem gostoso com o seu comentário, gostando ou não do que foi publicado, mas tente ao menos ser coerente e educado na opinião dada, visse? Eu não sou obrigado a escutar desaforos no meu espaço e te devolvo o baile com gosto de gás! rsrsrsrsrs

As melhores peças com os menores preços para você.
Caso não esteja visualizando as imagens,acesse aqui
 
 
Duloren
Lançamentos Sutiãs Calcinhas Modeladores Diva Plus Size OQNV
Frete Grátis
Meu guia de lingeries
Chat Online
Central de Atendimento:
Para realizar qualquer troca de produtos, seja por causa do modelo, tamanho ou cor, não há custo adicional para a 1ª troca e a Duloren oferece um prazo de 30 dias após o recebimento do produto. Caso a nova peça seja de uma referência diferente da peça devolvida, será gerado um crédito no valor do produto a ser trocado para a realização de uma nova compra. Para saber mais, acesse Política de Troca ou Devolução.
Custo e Prazo de Entrega:
O frete é grátis para qualquer lugar do Brasil em compras acima de R$ 120,00.
Depois que o pagamento estiver confirmado, o envio do(s) produto(s) ocorrerá o quanto antes, mas o prazo depende de sua localidade. Para saber mais, acesse Entrega e Frete.
Formas de Pagamento:
As compras podem ser feitas em até 5 vezes sem juros em todos os cartões, com parcela mínima de R$ 30,00.
Trabalhamos também com outras formas de pagamento, como débito, boleto bancário e PayPal.

Sobre a Duloren:

A Duloren, líder de mercado em moda íntima no Brasil, fundada há 53 anos, tem um forte e consistente DNA que está baseado na produção de tecidos altamente tecnológicos com desenhos, rendas e elásticos exclusivos, acrescentado à tinturaria própria e à fabricação dos seus insumos. Para atender as mais diversificadas solicitações do mercado consumidor, a Duloren produz e comercializa hoje as marcas Duloren e Femmina.

Com capital 100%% nacional, produz cerca de 1,2 milhão de peças por mês. A Duloren orgulha-se de ser inovadora e estar na vanguarda da estratégia de mercado. Através de avançados planos de marketing, a empresa é reconhecida como pioneira da moda íntima, lançando coleções simultaneamente

Atenção:
Preços e condições válidas para a loja online da Duloren. As condições podem se alterar após o envio dessa mensagem.
Confira todas as informações sobre produto, preço, tamanho e cor antes de concluir a compra.
Caso haja diferença nos preços entre este e-mail e a loja online da Duloren, a condição válida e praticada será a da loja online. Os descontos são válidos durante o período de divulgação e dependem da disponibilidade de estoque.